Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intendo do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glórias, pois, a ele eternamente. Amém! - Romanos 11.33-36.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Ideias desconexas

Juras de amor são apenas isso: juras de amor.
Nossos Titãs diriam que não existe o amor, apenas provas de amor.
E diriam ainda que pessoas aparecem do nada e mexem demais conosco.
Isso é bem verdade.
O único problema é que depois elas desaparecem.
Fazem juras de amor, dão provas de amor, e depois sequer dizem adeus,
sendo cedo ou tarde demais para tal.
Ilusão, encantamento, magia. Coisas que nos fazem ver somente o belo.
Eu ia dizer que elas nos fazem ver o belo onde ele não existe.
Mas isso não é verdade. A verdade é que elas realmente nos fazem ver somente o belo.
o x da questão é que quando a doce ilusão se vai, ela leva junto essa beleza. :(
Fizemos planos. Você queria fazer o meu dedo reluzir.
Você fazia o meu coração reluzir. Nunca imaginei que ele bateria forte assim por outrem. Mas bateu. 
Nunca imaginei que brilho no olhar pudesse ter outro significado em minha vida, mas teve: você.
Mas, por fim, o meu dedo não reluziu. O meu coração continua a bater forte, mas de tristeza por um sonho que se acabou; meus olhos continuam a brilhar, mas de tristeza por ter descoberto quem você é.
O que me deixa mais faz com que os meus olhos brilhem de tristeza
é pensar que eu tive um surto, saí de mim, e fui quem não sou,
mas nesse surto descobri quem você é. Perdi o encantamento.
Gostaria de poder te olhar o resto da vida com o mesmo doce sentimento.
Pensei em dizer agora que pessoas mudam, e que você pode mudar,
e se tornar quem eu quis achar que você era, quem você me fez acreditar que você era. Mas pessoas não mudam. Eu não mudei. Surtei, mas não mudei.
O anel que tu sequer me deste era muuuuito mais frágil que vidro
e se quebrou.
O amor que tu me tinhas nunca existiu, sequer começou.
Você realmente entrou na roda, disse-me versos muito bonitos,
todavia nunca disse adeus e mesmo assim foi-se embora.
Se é amor tem desencontros? 
Então, talvez, o que houve entre nós tenha sido amor.
É! Gosto de pensar que sim. Um amor tão intenso que
da mesma forma que começou acabou: do nada.
Amamos um contra o outro.
Queria pensar em um jeito bem bonito de terminar minha escrita.
Ah! Tem um: AMIZADE!
Esse é o amor mais perfeito, puro, sincero, verdadeiro, profundo.
E isso eu posso te oferecer, sabendo exatamente quem você é: amizade.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

História das coisas

Na verdade, toda pessoa coloca a culpa no Governo, nas instituições que dominam o mundo, quando, realmente, somos nós quem prejudicamos a nós mesmos. Se pensássemos na diferença do estilo de vida de 60/70 anos atrás para o estilo de vida atual, notaríamos que antigamente pensávamos mais em como viver, e hoje pensamos mais em como ter, comprar. Se não refletirmos e mudarmos agora, futuramente não poderemos chorar sobre o leite derramado, restando-nos apenas arcar e sofrer com as consequências de nossas escolhas. Somos nós os únicos responsáveis pela influência que a mídia exerce sobre nós, por não utilizarmos nossa inteligência e nosso raciocínio em nossas escolhas. Nós somos o próprio lixo daquilo que escolhemos ser e ter, uma vez que nos definimos pelo que temos, e não pelo que somos; o ter tornou-se, por nossa culpa, o ser.

Por Vanessa Tavares

segunda-feira, 24 de março de 2014

Longe de ti tudo sempre para. Minha vida se torna uma constante espera pra ter você de novo e começar a rodar novamente. O mundo para de girar quando não estou com você, e nada me resta a não ser esperar que ele volte a girar novamente. :(

domingo, 23 de março de 2014

Domingo de saudade e espera

Domingo de saudade e de espera. Domingo de reencontros felizes, boas recepções inesperadas. Alegrias para o coração. Mas ainda com saudade e ainda esperando. Não importa o quanto você tenha algumas pessoas: nunca será o bastante. Sempre haverá saudade. Mas eu continuarei pacientemente esperando, para aproveitar cada preciso, único e eterno momento.

sábado, 22 de março de 2014

Outono

Infelizmente as nuvens do outono pairaram sobre o meu coração.
Cobriram os raios de sol que radiantemente brilhavam em minha alma.
Ele chega assim, tão perto, de tão perto, que você nem espera que ele venha.
Ele é próximo, está ao seu lado, mas te surpreende com suas nuvens.
Mas, não há preocupação.
As nuvens do outono sempre vêm acompanhadas dos raios do sol,
do seu sorriso.

:)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Eu tenho uma amiga galinha

Eu tenho uma amiga galinha. Aliás, várias. Nosso relacionamento está evoluindo. Uma fugidinha aqui, uma bicadinha acolá, mas nada que não pudesse ser superado através do diálogo sincero. Logo, pensei em dar-lhes um pouco mais de espaço e deixa-las passar um tempinho fora do galinho. Afinal, todos nós, de vez em quando, precisamos expandir um pouco nossos horizontes. E, se o que a gente ama a gente deixa livre...

No começo, tudo fluiu muito bem. Um cocozinho aqui, outro ali, mas nada agravante. Os limites eram respeitados, e a convivência, pacífica. Entretanto, três ou quatro dias depois, a balbúrdia teve início. Um cocozinho aqui, outro ali, como no começo, só que esses aqui e ali eram os aqui e ali inadequados, indevidos. Invasão de espaço, rebeldia, motim, rebelião. Até que chegaram, as cocós, ao ponto de defecarem na área, olhando para minha cara, e rindo! Vejam se pode! Alguém aí já viu uma galinha evacuando? O ato é precedido de uma leve esticada de pescoço e um suave, quase “císneco”, bater de asas. Mas o da cocó em questão ainda teve um “quê” de “Há! Há! Sou eu quem mando!”

O final não poderia ser outro: elas voltaram ao seu confinamento e nosso relacionamento regrediu um pouco. Nada demais. Talvez um pequeno retrocesso antes de um grande avanço. Até porque todo relacionamento possui seus altos e baixos.