Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intendo do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glórias, pois, a ele eternamente. Amém! - Romanos 11.33-36.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Solitude

Numa busca desenfreada por preencher o vazio da alma, o vácuo da solidão, e a carência causada pela sociedade moderna, o homem busca saciar-se em fontes rotas, pútridas e malévolas, que ao invés de beneficiá-lo, levam-no à destruição. Refiro-me a relacionamentos doentios com pessoas, coisas e escapes evanescentes que levam consigo o pouco que ainda restava naquele ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário