Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intendo do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glórias, pois, a ele eternamente. Amém! - Romanos 11.33-36.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Luz no fim do túnel

Quando a luz no fim do túnel começa acender,
A escuridão parece ascender.
Quando a esperança se aproxima da realidade,
Os golpes do infortúnio são dados com crueldade.
Quando o começo do fim se aproxima,
A ferocidade da batalha se anima.
O começo do fim já chegou,
E o início do novo está perto,
Mas o combate contra o mal se acirrou,
E a certeza da vida é algo certo.
O medo se esvaiu,
E a coragem seu lugar assumiu.
A coragem para esperar reapareceu,
E o ânimo confiante em Deus
Mais uma vez assumiu o posto seu.
Um dia mais difícil que o dia anterior,
Cada dia mais difícil que o dia que passou,
Um dia mais perto da minha redenção,
Cada dia mais perto da minha libertação.
Lutar com bravura e destemor,
É o que espera de mim o meu Salvador.
E não dar ao mal o gosto de minha rendição,
É o que inspira em mim o Espírito que me traz consolação.

Espectro

Quando a tristeza toma conta do meu ser,
Sinto toda a minha força evanescer.


Como uma máquina maligna
Que esmaece minha energia,
Assim é este lugar,
Contra o qual luto dia-a-dia.


Um lugar fora do espaço-tempo
Que se presta a me causar desalento.
Uma esfera que nunca desaparece
Fortalecendo-se do meu vigor, o qual ela desvanece.


Um ser inanimado,
Mas com ar espectral,
Que busca a todo custo
Dominar-me com seu mal.

Em Deus não esmoreço,
Contrariando a circunstância;
Prossigo sempre em frente
Pois vencer e estar com Ele é minha ânsia.


Não dando atenção à debilidade
Quem em meu corpo e minha alma
Procura instalar-se em totalidade,
Permaneço no amor e na caridade,
Tenho a certeza de que no fim
Estarei com Ele por toda a eternidade.


O meu Redentor vive,
E por fim se levantará.
E ainda que o meu corpo pereça,
Meu espírito, por toda a infinitude,
Com Ele permanecerá.

Máquina maligna de exaurir energia,
Espectro do mal que a força extorquia,
Esfera que do vigor alheio dependia,
Onde está a tua vitória?
Você fora vencida pela Vida,
Pela Fonte de Água Viva,
Por aquEle que vida irradia!

Soberania Divina

Não sou desprovida das bênçãos divinas, somente não as tenha quando e como quero.
Isso não significa que Deus não me ama.
Muito pelo contrário.
Significa que Ele me ama tanto que me dá o que, quando e como é melhor para mim.
Através de Suas “retenções”, digamos assim, Ele também quer nos trazer de volta para o caminho correto, como um pastor faz com suas ovelhas, utilizando seu cajado.
O não receber o que queremos e como e quando queremos também revela, além do cuidado de Deus para conosco, a sua Soberania.

Gélido

Estou parada no tempo,
Esperando minha vida começar.
Vivendo uma tristeza mordaz em um dia
E um entorpecimento gélido em outro.
Agarrando-me a cada pequena coisa que possa me segurar,
Segurando-me firmemente em miudezas que possam me alegrar.
Tenho a certeza de um lugar melhor,
Mas não tenho a certeza de conseguirei chegar lá.
Um sonho muito perto e real,
Mas que não consigo me enxergar acordando e vendo que realmente estou lá.
Cada coisa a que me agarro se esvai por entre meus dedos,
E cada coisa a que me seguro furta-se com esmero.
Vou perdendo tudo aos poucos
E nunca ganho o prêmio da perseverança.

Mergulho profundo

Mergulhada no poço da depressão,

Vejo a luz entrar pelas frestas da janela.

Percebo que ainda há esperança para mim.

A luz do Sol consegue transpassar as nuvens chuvosas,

E seus raios alcançam minha alma funesta.

Os pensamentos fúnebres são dissipados,

Pelo calor que aquece a minha alma.

Os sentimentos lúgubres

Dão lugar ao anseio pela vida novamente.

Saudade II



A saudade é uma dor imensa, uma tristeza gigantesca que, lá no fundo do coração, pega a alma em suas fortes e impiedosas mãos e a esmaga, tanto e com tanto poder, até o ponto de a alma escorrer por entre seus dedos. Mas ela também tem o seu lado bom: de lá do fundo do coração, ela, como que se fosse uma luminária com raios de luz que partem de um centro e se abrem clareando tudo ao seu redor, enche de luz o restante do coração, mostrando como é grande o amor que lá habita. Ela é uma forasteira indesejada, mas que mostra ao proprietário da terra quem e o quanto ele realmente ama. Ela traz consigo o valor das coisas, o verdadeiro valor. É isso que estou sentindo por vocês: saudade.

Saudade

No céu, estaremos juntos,
E o tempo não mais nos separará.
A saudade que um dia aqui doeu
Não mais existirá.

Para sempre e eternamente
Vamos a Deus louvar,
Em um só coro celestial
Qual nunca mais haverá.

As lágrimas, que pela ausência derramei,
O Senhor enxugará.
E a família que Ele me deu
Por tempo infinito
Ao meu lado estará.

Angústia e solidão,
O que mesmo são?
Na Nova Jerusalém
Elas não entrarão.
O amor e a união
Em plenitude reinarão.

Amigos que um dia eu aqui ganhei
Lá na eterna Glória reencontrarei.
E a vida, paz e alegria
Que aqui me trouxeram
Na Nova Terra
Para sempre desfrutarei.

Obrigada, meu Deus,
Por cada irmão que de Ti recebi.
E hoje, a cada um deles,
Quero o meu amor repartir.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Essência

Tentando ser quem não sei, perdi a mim mesma, e não encontrei nada novo pra ser.

Tentando viver como os outros vivem, perdi que eu sou, e não vive plenamente.

Tentando viver como me disseram que deveria, perdi minha essência, e não achei outra para substituí-la.

Limbo

Eu passo o tempo todo tentando ser forte, tentando não ficar nervosa, tentando não murmurar, tentando esperar pacientemente e confiante, mas minha carne treme de nervoso, as lágrimas escorrem pelo meu rosto e meu coração penetra nas profunda escuridão do desespero e da solidão.

Penso que eu sequer me queixar estarei sendo ingrata, penso que devo olhar para as bênçãos que tenho, penso que devo manter os olhos fixos no Alvo.

Mas, o fato é que, se um lugar pode matar alguém, o lugar no qual eu moro está realmente me matando.

O sentimento de que sou um péssimo ser humano por não estar suportando bem toda a afronta e injustiça que penso sofrer aqui se agrava pelo fato de que Deus já me deu o lugar para o qual irei muito em breve. Por Ele já ter feito isso, deveria estar saltitante e sorridentemente esperando a libertação deste lugar.

Entretanto, sinto-me como se estivesse sendo punida simplesmente por existir e ser quem eu sou, por gostar do que eu gosto: paz, sossego, tranquilidade e silêncio.

Sinto-me como se estivesse num limbo, do qual jamais conseguirei sair, não importa o quão arduamente eu me esforce.

Minha vida está se esvaindo, e eu estou esvaindo a vida do meu esposo.

Tento tanto e tanto ser forte, agradecida e feliz, que não posso nem me sustentar de pé.

Se fosse espírita, acreditaria que estou sendo punida por atrocidades cometidas na vida passada. Louvado seja Deus, sou serva do Altíssimo, e sei que no mundo tenho e ainda terei muitas aflições, mas que Ele está comigo. Saber que Ele está comigo faz com que eu me sinta pior ainda por mergulhar cada vez mais no poço sem fim da angústia de alma. Deveria ter uma atitude de regozijo, não por estar sofrendo, mas por saber que isso é temporário, que sou mais que vencedora em Cristo Jesus e que, ainda que eu morra, o meu Redentor vive e, por fim, se levantará e me levantará junto com Ele.

Por mais transparente que eu seja, não consigo contar às pessoas sobre meu sofrimento, não consigo admitir para elas que estou nesta situação terrível. Para elas essa não seria uma situação terrível, afinal, nada me falta, e o que é um pouco de barulho todos os dias da sua vida pro apenas quase 24 horas? Tenho um teto, e isso deveria bastar. Mas não basta. Minha alma está doente, o meu corpo fica doente. Não consigo fazer nada. O cançaso e a fatiga são extremos. O barulho, constante. Preciso sair daqui. A minha alma e o meu corpo já não suportam mais.