Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intendo do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glórias, pois, a ele eternamente. Amém! - Romanos 11.33-36.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Igreja e comunidade

"Articular a igreja e a vida em comunidade implica construir uma ligação entre o cotidiano vivido e o conhecimento bíblico aprendido".

Débora Ferreira da Costa

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Afinal de contas, regras existem para serem quebradas, não é mesmo? É?!

"A vida é minha e eu faço o que eu quiser". "Você não tem nada a ver com isso." Estas são expressões frequentemente usadas por aqueles que se desviam das normas e dos padrões estabelecidos para uma convivência saudável em determinada comunidade (escola, empresa, e, infelizmente, até na igreja).

Normas são estabelecidas para que, como já dissemos,  haja uma convivência saudável entre os membros de uma comunidade e para a própria existência e saúde desta comunidade.

Contudo, a despeito de hoje existir a liberdade de escolha de pertencer a esta ou àquela comunidade, as pessoas insistem em quebrar os protocolos estabelecidos pela e para a comunidade à qual escolheram pertencer; e utilizam as desculpas acima citadas para atacarem aqueles que ousam confrontá-las.

E, pior: quando o "transgressor" se depara com tal enfrentamento, ainda encontra alguém para lhe dizer exatamente o que segue: "Fique em paz. A vida é sua, você faz o que quiser e ninguém tem nada a ver com isso".

Não somos ilha. Tudo o que fazemos afeta as outras pessoas que convivem* conosco na comunidade que livremente escolhemos como nossa.

Não entendo o por quê de alguém fazer uma escolha e insistentemente infringir as "leis" apropriada e sabiamente (em especial no caso da igreja, que é o foco de nosso comentário) estabelecidas por esta escolha.

Ah! Além disso, ainda há a realidade de que sempre queremos os benefícios concedidos pela comunidade a que adotamos por nossa, mas raramente aceitamos as responsabilidades adjacentes a tais benefícios, pelo menos não de bom grado.

Uma possível resposta seja o fato de que não se conformar* com este mundo dá trabalho, enquanto que fazer o contrário é um processo "natural" (na verdade, sobrenatural, pois, ao fazê-lo, estamos cedendo ao domínio das forças das trevas que constantemente tentam contra nossas vidas e a vida da Igreja, minando a santidade das igrejas locais por meio da mundanização, secularização e profanação das mesmas).

* conviver: viver em proximidade; ter convivência; ter relações cordiais; dar-se bem; adaptar-se, habituar-se a condições extrínsecas (físicas, culturais etc.); compartilhar do mesmo espaço; coexistir.

* conformar: dar ou tomar forma; configurar(-se); estar em conformidade ou de acordo com; identificar-se; pôr(-se) em conformidade com outra coisa tomada como modelo; fazer conciliarem-se ou conciliarem-se duas ou mais coisas díspares.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Saudade

Domingo de celebração da Ceia do Senhor. Como sempre, um cochilinho depois do almoço e, para alegria total do meu coração, preparação para o culto da noite. Depois de arrumadinhos, lindos e cheirosos, descemos as escadas no nosso prédio. Ao chegarmos lá em baixo, triste surpresa: chuva muito forte. Das janelas víamos a chuva, mas só ao chegarmos lá em baixo é que tivemos a real dimensão de sua força, força essa que nos impediu de sair. Ah! A, cada degrau que subíamos aumentava a tristeza na minha alma.

Quantas vezes fui para a igreja porque era "obrigada". Mas hoje, o meu coração ardia de desejo de estar lá. E logo hoje não pude ir. É, que lição difícil aprendi hoje: dar valor à "minha" igreja, à oportunidade de cultuar a Deus, ao culto em si.

Foi "apenas um culto" que perdi. Será?
Bem, meu coração dói até agora por não ter estado lá.

Mas aprendi.

A "minha" igreja é maravilhosa. Linda. Meus irmãos, família, presente de Deus pra minha vida. A liturgia do culto, amo! E por qual razão eu pude algum dia da minha vida, em sã consciência, não desejar estar lá? Por certo minha consciência não estava tão sã assim.

Se eu pensar em algo que é tudo de bom na minha vida, tenho que, obrigatoria e indispensavelmente, pensar na igreja com a qual o Senhor me presenteou.

Se eu pensar em alguém que completa e alegra o meu viver, tenho, também obrigatoria e indispensavelmente, que pensar em meu pastor, no corpo de obreiros que lá o auxiliam, e em cada irmão-amigo-companheiro que me ajuda a ser alguém melhor.

Senhor, perdoe-me por não ter dado valor, por ter sido negligente, displicente, relapsa, ingrata. Eu te amo, Senhor, amo a tua Igreja, e amo a igreja à qual o Senhor me levou para ser abençoada todos os dias da minha vida.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Sadios costumes

A crítica, o menosprezo e o abandono dos costumes sadios (adotados pela Igreja) levou a sociedade ao alto grau de secularização a que chegou. Tal secularização, e pelo mesmo motivo, adentra sutilmente às igrejas.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Modernização

"... as nossas raízes bíblicas, apostólicas e reformadas não podem ser trocadas pelo prato de lentilhas sutilmente oferecido pelo inimigo, na roupagem 'modernizada' da socidade de nossos dias".

Antônio Tadeu Ayres

A falta de uniformidade (nos costumes, na liturgia e, muitas vezes, tristemente, até em certos pontos doutrinários ) entre as igrejas locais são resultado do alto grau de secularização da sociedade pós-moderna, na qual estamos inseridos.

Há uma conformação de muitos cristão à mente secular, contrariando o ensino apostólico registrado em Rm 12.2.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Cosmovisão

Porque Daniel e seus amigos, jovens membros da nobreza judaica, estavam bem fundamentados em sua cosmovisão teológia e teocêntrica, mantiveram sua identidade e conseguiram enfrentar e vencer a cosmovisão de seus captores, quando do cativeiro babilônico, no século VII a.C.

Façamos o mesmo hoje!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Reino dividido

Uma casa que é construída sobre um alicerce que não tem a profundidade devida desaba. Precisamos estar bem alicerçados em nossa rocha, que é Cristo Jesus. Um reino dividido não pode subsistir. Precisamos estar unidos em nossas casa, famílias, comunidade e igrejas, a fim de atendermos ao objetivo do reino ao qual pertencemos, o Reino de Deus, que tem a meta de propagar o Evangelho a toda criatura. No caso do Reino de Deus, ele não se extinguirá devido à nossa falta de união, mas nós não mais faremos parte dele se não estivermos em harmonia e correndo todos a mesma carreira, a carreira que nos está proposta. Outros ingressarão e cumprirão o propósito que antes era nosso. 

Santificação

Precisamos refletir, de forma urgente, sobre a santidade, que falta a muuuuitos "crentes" da atualidade, sobre a diferença que eles NÃO fazem. Precisamos LUTAR para mudar este quadro, e uma maneira de fazermos isso é meditando em Efésios 4.17-32. As pessoas se acostumaram (porque lhes convém) com o fato de que por se multiplicar a iniquidade o amor de muitos esfriaria e se acostumaram também (e mais uma vez porque lhes convém) com o fato de a Bíblia afirmar que nos últimos dias haveria grande apostasia, e dizem não ser possível fazer nada além de conformar a este mundo. E onde fica a renovação do nosso entendimento segundo os santos preceitos no nosso Senhor? Quem se encontrará santo e irrepreensível em seu corpo, sua alma e seu espírito quando da vinda de Jesus? Quem? Que Deus continue nos ajudando a permanecer firmes nEle e que a cada dia nós DECIDAMOS permancer assim.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O novo nascimento

JOÃO 3. 1 – 6


CARACTERÍSITCAS DO NOVO NASCIMENTO:

1ª) É ESPIRITUAL – O TEXTO-CHAVE NOS MOSTRA ISSO – NASCIMENTO DA ÁGUA E DO ESPÍRITO – JESUS É A FONTE DE ÁGUA VIVA.

2ª) QUANDO HÁ O NOVO NASCIMENTO, HÁ MUDANÇA DAS DISPOSIÇÕES ÍNTIMAS DA ALMA HUMANA – 

A PESSOA QUE NASCE DA ÁGUA E DO ESPÍRITO SE TORNA UMA NOVA CRIATURA EM CRISTO.
2 Co 5. 17: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

3ª) PELO NOVO NASCIMENTO SOMOS FEITOS FILHOS E HERDEIROS DE DEUS.

Jo 1. 12 e 13: Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.

Rm 8. 14, 16 e 17: Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.

4ª) QUANDO NASCEMOS DE NOVO, A ÁGUA QUE CONDUZ PARA A VIDA ETERNA PASSA A JORRAR DE NÓS.

 Jo 4. 13 e 14: Jesus respondeu e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede, mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna.

5ª) O NOVO NASCIMENTO NOS RECONCILIA COM DEUS.

Rm 5. 10: Porque, se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.

2 Co 5. 17 – 19: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação.

6ª) A PARTIR DO NOVO NASCIMENTO, MORREMOS PARA O PECADO E PARA AS OBRAS DA CARNE E VIVEMOS PARA DEUS, GUARDANDO SEUS MANDAMENTOS. AQUELE QUE É NASCIDO DE NOVO NÃO PECA, ISTO É: NÃO VIVE NA PRÁTICA DO PECADO, POIS TEM UM “SISTEMA DE ALERTA” QUE O PREVINE CONTRA AS TRANSGRESSÕES. ESSE SISTEMA DE ALERTA SÃO AS ADVERTÊNCIAS DO ESPÍRITO SANTO QUE HABITA NAQUELE QUE É NASCIDO DA ÁGUA E DO ESPÍRITO. ASSIM, AQUELE QUE É NASCIDO DE NOVO NÃO VIVE EM/NO PECADO, NÃO TEM O PECADO COMO UM ESTILO DE VIDA, POIS A VIDA DAQUELE QUE TEVE O NASCIMENTO ESPIRITUAL REFLETE O DESEJO DE SEGUIR O EXEMPLO DE CRISTO E SERVI-LO COM FIDELIDADE E SANTIDADE.

O PECADO NÃO TEM LUGAR NA VIDA DAQUELE QUE NASCEU DA ÁGUA E DO ESPÍRITO. ELE DEIXA, ABANDONA O PECADO E PRATICA A RETIDÃO.

O NASCIDO DE NOVO NÃO COMETE PECADO DURADOURO OU HABITUAL; ELE NÃO PERSISTE NO PECADO. ANTES, BUSCA ARDUAMENTE A RETIDÃO.

Rm 6. 1 – 4, 6, 11: Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça seja mais abundante? De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida... sabendo isto: que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, a fim de que não sirvamos mais ao pecado. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Rm 8. 5 – 7, 9a, 10: Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito, para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça.

Gl 5. 16, 17, 19 – 21, 24: Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.

Ef 4. 31: Toda amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmias, e toda malícia seja tirada de entre vós.

Cl 3. 5 – 8: Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o apetite desordenado, a vil concupiscência e a avareza, que é idolatria; pelas quais coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência; nas quais também, em outro tempo, andastes, quando vivíeis nelas. Mas, agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca.

1 Pe 2. 1: Deixando, pois, toda malícia, e todo engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações.

1 Jo 2. 3 – 6: E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou.

1 Jo 3. 6 e 9: Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu. Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus.

1 Jo 5. 18: Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca.

7ª) OS NASCIDOS DA ÁGUA E DO ESPÍRITO PENSAM NO QUE É PRÓPRIO DO ESPÍRITO E PRATICAM AS OBRAS DO ESPÍRITO.

Rm 8. 5: Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito, para as coisas do Espírito.

1 Co 2.16: Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.

Gl 5. 22: Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.

Fp 4. 8: Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.

Cl 3. 1 – 3: Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra; porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.

8ª) O NOVO NASCIMENTO – EM CRISTO – VIVIFICA E NOS TRAZ O PERDÃO DOS NOSSOS PECADOS, NOS LIVRANDO DA CONDENAÇÃO.

Jo 6. 63: O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida.

Rm 8. 1: Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito.

Rm 8. 10: E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça.

Ef 2. 1, 4 - 6: E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados... Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus;

Cl 2. 13 e 14: E, quando vós estáveis mortos nos pecados e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas, havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.

9ª) O NOVO NASCIMENTO NOS TORNA CHEIOS DE AMOR (A DEUS E AO PRÓXIMO).

1 Jo 3. 14: Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; quem não ama a seu irmão permanece na morte.

1 Jo 4. 7, 8, 11 - 13, 16, 19 - 21: Amados, amemo-nos uns aos outros, porque a caridade é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é caridade. Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus; se nós amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeita a sua caridade. Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito. E nós conhecemos e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é caridade e quem está em caridade está em Deus, e Deus, nele. Nós o amamos porque ele nos amou primeiro. Se alguém diz: Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também seu irmão.

10ª) O NOVO NASCIMENTO NOS TORNA VENCEDORES EM CRISTO JESUS.

Rm 8. 31 – 39: Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Pois é Cristo quem morreu ou, antes, quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia: fomos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor!

1 Co 15. 57: Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.

1 Pe 1. 22: Purificando a vossa alma na obediência à verdade, para caridade fraternal, não fingida, amai-vos ardentemente uns aos outros, com um coração puro.

1 Jo 5. 4 e 5: Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?

11ª) QUANDO NASCEMOS DA ÁGUA E DO ESPÍRITO, A “SEMENTE DE DEUS” PERMANECE EM NÓS. OU SEJA, TANTO A NATUREZA DE DEUS COMO A SUA PALAVRA E O SEU ESPÍRITO PERMANECEM NO CRISTÃO, POIS ELE É NOVA CRIATURA EM CRISTO JESUS. É UMA HABITÇÃO MÚTUA: DE DEUS NO CRENTE E DO CRENTE EM DEUS.

1 Jo 3.9 e 24: Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus. E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós: pelo Espírito que nos tem dado.

2 Co 5. 17: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

1 Pe 1. 23: sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece para sempre.

12ª) O NOVO NASCIMENTO É ALGO SOBRENATURAL, QUE NOS RESSUSCITA, POIS ATRAVÉS DELE PASSAMOS DA MORTE PARA A VIDA.

1 Jo 3.14a: Nós sabemos que passamos da morte para a vida.

13ª) O NOVO NASCIMENTO NOS RENOVA PARA O CONHECIMENTO.

Cl 3. 9 e 10: Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos e vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Amizade – Teus amigos te aceitam, mas, e Jesus, te aceita?


Quero, de antemão, deixar claro que, quando eu me referir aos amigos terrenos, refiro-me aos pseudo-amigos, ou seja, àqueles que não são amigos verdadeiros, comprometidos com a Palavra de Deus, que querem nosso bem, mas àqueles falsos amigos, que nos incitam a andar por caminhos tortuosos, que nos incentivam a abandonar os preceitos divinos. São aqueles que dizem ser até vergonhoso ser um cristão autêntico.

Pois bem. Todas as pessoas são diferentes umas das outras. Somos indivíduos, ou seja, somos únicos. Cada um de nós possui características próprias, peculiares. Podemos ter características semelhantes às de outras pessoas, mas ninguém possui exatamente as mesmas características que outra pessoa, idênticas, o mesmo e inalterado conjunto de característica. Contudo, sempre procuramos nos associar àqueles que mais se parecem conosco, ou buscamos aqueles com quem nos assemelhamos.

Isso vale tanto para nossas amizades humanas, como para nossa amizade com Cristo. Para sermos amigos dEle, temos que parecer com Ele, gostar das mesmas coisas que Ele gosta, fazer as mesmas coisas que Ele fez, pensar como Ele, sentir como Ele e, além disso, abominar o que Ele abomina.

Não é bom viver sozinho, e há amigo mais chegado que irmão. O ser humano é um ser social por natureza. Nos agrupamos, vivemos em sociedades, que nos aceitam. E é precisamente sobre isso que quero falar agora: aceitação, a necessidade que o homem tem de ser aceito.

Bem, vivemos em uma grande sociedade, a humanidade, dividida em sociedades menores, grupos, sejam eles grandes, médios ou pequenos. A própria igreja local é dividida em grupos (mocidade, irmãs, adolescentes, coral, crianças, obreiros, diáconos etc.), só para exemplificar. Como dito, sempre procuramos nos estabelecer em grupos compostos por indivíduos com características semelhantes às nossas, afinal de contas, queremos ser aceitos e, como também já dito, somos seres sociais por natureza. Ocorre que, em nossa busca por amigos e por aceitação e por uma identidade, muitas vezes, nos associamos a pessoas que, embora pareçam ser iguais a nós, se mostram completamente distintas, isso acontece inclusive na igreja, e essas pessoas nos apresentam coisas que devemos fazer para sermos aceitos em sua sociedade, em seu grupo. Aí é que está o x da questão de nosso assunto aceitação: buscamos um grupo parecido conosco, ou que pensamos ser, e fazemos o que é necessário para adentrar e permanecer nesse grupo. Esse grupo, então, nos mostra uma série de comportamentos que precisam, que devem ser adotados para que possamos fazer parte dele; ou seja: as pessoas pertencentes a este grupo nos mandam, nos ordenam fazer coisas que nos qualificarão a ter a “honra” de fazer parte deste grupo. Vale lembrar que, muitas vezes, nem é um grupo, é apenas uma única pessoa a quem queremos nos associar. Até então não parece haver nada de errado, afinal, Jesus também nos mostra coisas que devemos praticar, caso queiramos “fazer parte do grupo dEle”. Todavia, Jesus não nos manda fazer nada que venha a nos prejudicar, enquanto que aqueles que muitas vezes queremos por amigos, nos exigem atitudes que nos conduzem à morte, senão física, espiritual. Repito: isso é realidade inclusive na igreja. Note que os grupos nunca colocam as coisas como elas realmente são: imposições; eles as apresentam como uma opção, uma escolha, mas te forçam a fazê-las, por meio de pressões psicológicas, chantagens emocionais e situações armadas, arranjadas. Mas, sim, você tem escolha: escolha fugir destes grupos, escolha fugir da aparência do mal (1 Ts 5.22).

Para ser aceito no grupo de Jesus, que é o Corpo de Cristo, constituído tanto da igreja universal (todos os crentes de todas as épocas), quanto da igreja local, bem como para fazer parte dos grupos dentro da igreja local, você também precisa preencher certos requisitos, como ser batizado nas águas, por exemplo, mas ninguém te pressiona ou obriga a isso. Você tem o livre arbítrio: a verdade é exposta e você aceita se quiser.

Voltando àquelas pessoas que procuramos para fazerem parte de nosso círculo de amizade, elas nos prometem muitas coisas, como, por exemplo, satisfação, felicidade, preenchimento do vazio da alma, aceitação, status, popularidade, mas quando fazemos o que elas nos requisitam, nosso estado de insatisfação, de infelicidade, de vazio na alma, se não continua a ser o mesmo, passa a ser pior do que o de antes de tais atitudes. E a popularidade que conseguimos, muitas vezes, é aquela advinda de termos nos aplicados a pessoas de comportamento destrutivo; o status que alcançamos é o de termos nos desviado do caminho reto, e termos tomado o caminho largo e espaçoso, que conduz à morte eterna.

A “vida abundante” que tais pseudo-amigos nos prometem se transformará em condenação eterna, e a única aceitação que você realmente conseguirá será a do inferno. Palavras pesadas estas, mas estreita é a porta e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que entrarão por ela (Mt 7.13 e 14), e quem quer ser amigo de Deus deve negar a si mesmo, negar a este mundo, negar aos que são amigos do mundo, tomar a cruz e seguir a Cristo (Mt 16.24 e 25  Mc 8.34-38 vai além, é mais forte; e Lc 9.23-26).

Bem, então, neste mundo, você procura por amigos, iguais a você; você procura por uma identidade, procura aceitação. Você encontra! Seus “amigos” te aceitam. Afinal, você se veste igual a eles, fala como eles, vai aos mesmos lugares, ouve as mesmas músicas e, inclusive, anda, seu modo de andar é igual ao deles. Seus “amigos” te aceitam. E Jesus, te aceita?

Aqui neste mundo você tem um grupo de amigos que te aceita, mas na hora em que a coisa apertar, devido aos caminhos não muito direitos que vocês estão trilhando, eles vão abandonar o navio, cada um com seu bote ou colete salva-vidas (que não os salvará na eternidade, diga-se de passagem), e te deixarão lá. A suposta lealdade destes teus amigos terminará quando eles tiverem que escolher entre eles mesmos e você.

Mas Jesus, se você anda nos caminhos dEle, mesmo quando as coisas ficam difíceis, mesmo quando o caminho vai estreitando e estreitando, mesmo quando a tempestade vem e a tormenta assola e castiga o barco em que os senhores estão, mesmo assim Ele não te deixa, e ainda que você pereça fisicamente, Ele te garante a vitória final, a salvação da sua alma, a eternidade com Ele, em glória e em vitória.

A fidelidade de Jesus não tem comparação. Quando Ele teve que escolher entre Ele mesmo e você, Ele escolheu você.

Teus amigos te aceitam, mas e Jesus, Ele te aceita?

Você com certeza sabe o que fazer pra ser aceito por seus amigos: como já dissemos, vestir o mesmo que eles, comer o mesmo que eles, ouvir o mesmo que eles, ir aos mesmos lugares, ver o mesmo que eles, falar as mesmas gírias e palavras torpes (palavrões) que eles. Mas, se você quer ser aceito por Jesus, que ser amigo dEle, o mais verdadeiro, fiel, leal e digno amigo, assim como você faz com os amigos desta terra, você, como também já mencionamos, precisa gostar das mesmas coisas que Jesus, agir como Ele, pensar, sentir como Ele, e não gostar do que Ele não gosta. Vejamos.

Versículos

Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome – Jo 1.12. CRER.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna – Jo 3.16. CRER.

E os fariseus, ouvindo que ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar. E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo: Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas – Mt 22.34-40. AMAR A DEUS E AO PRÓXIMO.

Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda. Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros – Jo 15.13,16 e 17. DAR BONS FRUTOS E AMAR AO PRÓXIMO.

Se me amais, guardai os meus mandamentos. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele. Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras – Jo 14.15,21,23 e 24a. GUARDAR OS MANDAMENTOS.

As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão – Jo 10.27 e 28. CONHECER A VOZ DE CRISTO E SEGUÍ-LO.

Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte – Pv. 14.12 e 16.25.

Os retos fazem o seu caminho desviar-se do mal; o que guarda o seu caminho preserva a sua alma – Pv 16.17.

Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus – Tg 4.4. AMIGOS DO MUNDO = INIMIGO DE DEUS.

Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade – Jo 4.23 e 24. ADORAR A DEUS EM ESPÍRITO E EM VERDADE.

O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras – Tt 2.14. SER PURO, ESPECIAL, ZELOSO DE BOAS OBRAS.

E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado– Ef 1.5 e 6. SUAS ROUPAS GLORIFICAM A DEUS? SEU TRABALHO, A MANEIRA COMO VOCÊ ENCARA OS ESTUDOS, TRATA SUA FAMÍLIA, SUA MANEIRA DE OLHAR, SEUS OLHARES, SEU PENTEADO GLORIFICAM A DEUS? E SUA MANEIRA DE FALAR, SEU LINGUAJAR, SEU VOCABULÁRIO?

Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas – Ef 2.10. ANDAR NAS BOAS OBRAS DE DEUS, NOS CAMINHOS DE DEUS, QUE ELE MESMO CRIOU PARA NÓS.

E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado – 1 Jo 1.5-7.

E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou – 1 Jo 2.4-6.

Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas. Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo. Mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas, e anda em trevas, e não sabe para onde deva ir; porque as trevas lhe cegaram os olhos – 1 Jo 2.9-11.

Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre – 1 Jo 2.15-17.

Portanto, o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna – 1 Jo 2.24 e 25. E O QUE OUVIMOS DESDE O PRINCÍPIO FOI PARA AMARMOS A DEUS E GUARDARMOS SEUS MANDAMENTOS.

Se sabeis que ele é justo, sabeis que todo aquele que pratica a justiça [o que é direito, o que é correto aos olhos de Deus] é nascido dele – 1 Jo 2.29.

Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso o mundo não nos conhece; porque não o conhece a ele. Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro – 1 Jo 3.1-3.

Qualquer que comete pecado, também comete iniqüidade; porque o pecado é iniqüidade. E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu. Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como ele é justo. Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus, e os filhos do diabo. Qualquer que não pratica a justiça, e não ama a seu irmão, não é de Deus. Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros – 1 Jo 3.4-11.

Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte. Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele. – 1 Jo 3.14 e 15.

Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade – 1 Jo 3.18.

E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento. E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado – 1 Jo 3.23 e 24.

Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros – 1 Jo 4.7-11.

Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão – 1 Jo 4.20 e 21.

Vemos que João fala constantemente do amor ao próximo. Se aquele seu “amigo” diz que é seu amigo, ele deve te amar. Mas se ele te manda fazer coisa errada, ele não te ama, pois quem ama não faz o amigo pecar.

Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo, é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido. Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos. Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus manda-mentos; e os seus mandamentos não são pesados. Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? – 1 Jo 5.1-5.

Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca – 1 Jo 5.18.

Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno. E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém. – 1 Jo 5.19-21.

E muitas vezes nosso ídolo é aquele amigo, ou aquele grupo de amigos, que, segundo os preceitos e valores deste mundo, é um grupo irado, uma tribo da hora, mas cujos caminhos conduzem à morte e à perdição eternas.

Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo – 1 Co 2.16.

Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo – 2 Co 10.5.

Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o afeição desordenada, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria; Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos, E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou; Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração – Cl 3.1 e 2,5,8-10,12,14 e 16.

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai – Fp 4.8.

Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem. E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção. Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo – Ef 4.29-32.

Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito – Pv 4.18.

Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros – Rm 4.19.

Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, o coração que maquina pensamentos perversos, pés que se apressam a correr para o mal, a testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos – Pv 6.16-19.

Abominação ao SENHOR são os perversos de coração, mas os de caminho sincero são o seu deleite – Pv 11.20.

Abominação é ao SENHOR todo o altivo de coração; não ficará impune mesmo de mãos postas [ainda que ele junte mão à mão / certamente não ficará impune / é evidente que não ficará impune] – Pv 16.5.

Você pode estar preocupado, pensando o seguinte: “Bem, então eu não posso ter amigos nesta terra.” Vou te dizer duas coisas: Jesus, como amigo fiel, supre todas as tuas necessidades, inclusive a necessidade de amigos, e amigos realmente parecidos com Ele. BASTA VOCÊ FICAR ATENTO À VOZ DELE PARA DISCERNIR. Segundo, você não precisa se isolar neste mundo, nem deve fazê-lo; o que você precisa é se afastar daqueles que escarnecem, zombam de Deus e ser sal da terra e luz do mundo, como Jesus disse que você é – Sl 1 e Mt 5.13-16.

Jeremias, profeta do Deus Vivo, porque não profetizava o que seus compatriotas queriam ouvir, foi rejeitado por todos, mas aceito e honrado por Deus.

Agora, cabe a você decidir de quem você quer ser amigo, por quem você quer ser aceito: pelo mundo, juntamente com aqueles que o amam, inclusive o diabo, já que ele é o deus deste mundo, ou por Deus.

Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando – João 15.14.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Oração


MATEUS 6. 5 – 13

VÃS REPETIÇÕES

versículo 7:

Algumas orações são erradas porque os homens acham que se ficarem repetindo a mesma coisa obterão o favor de Deus pelo “muito falar”, e não pelo desejo ardente e puro de seus corações.

Os pagãos tem por prática repetir palavras, sílabas, sons, com o objetivo de controlar seus deuses e alcançar seus desejos egoístas.

E no versículo 7 vemos que não é pelo “muito falar” que recebemos as bênçãos de Deus.

ENTÃO NÃO DEVEMOS PERSISTIR NA ORAÇÃO?

Não é isso.

“Persistir” é diferente de “vã repetição”.

Temos o exemplo da parábola do juiz iníquo e o exemplo do cego de Jericó, respectivamente nos textos de Lc 18. 1 – 5 e Mc 10. 46 – 52.

A persistência demonstra nosso fervor e sinceridade e o nosso amor para com Deus.

MAS SE DEUS JÁ SABE O QUE NECESSITO, POR QUÊ ORAR?

O versículo 8 nos diz: “... porque vosso Pai sabe o que vos é necessário antes de vós lho pedirdes.”

Diante disso cabe a explicação de que a oração não tem a finalidade de informar a Deus, mas sim de cultivar um relacionamento íntimo com Ele, reforçando nossa confiança e harmonizando nossa vontade com a vontade de Deus, como vemos em Sl 37. 4 e 5, em Rm 12. 1 e 2 e em Mt 6.10.

Vejamos:

Em Lc 11. 13 Jesus disse que aquele que pedisse o Espírito Santo receberia e nós sabemos que o Espírito Santo nos revela a Sua vontade para nossas vidas e age em nós de forma que passamos a desejar o que Deus deseja.

E quando seguimos o exemplo do já mencionado texto de Mt 6.10, ou seja, quando oramos para que seja feita a vontade do Pai, nos rendemos à sua autoridade, nos abrimos para que Ele cumpra Seus melhores propósitos em nossas vidas. Tal atitude expressa humildade, reconhecimento de que Ele sabe o que é melhor para cada um de nós e manifestamos também nossa disposição para obedecê-lO.

A oração, portanto, não é uma fórmula mágica para obter o que queremos, mas sim uma forma de nos colocarmos em conformidade com o desejo de Deus.

Ainda que o nosso amado Pai saiba tudo a nosso respeito, Ele se alegra quando lhE contamos o que acontece conosco. Esta ação demonstra nossa confiança, intimidade e dependência do Senhor, especialmente quando as guerras se levantam contra nós.

A oração é o meio de nos levarmos à conformidade com a vontade de Deus, e não um mantra mágico que nos assegura a conformidade de Deus a nós, a conformidade da vontade de Deus à nossa vontade.

Orar é reconhecer a soberania de Deus em cada detalhe de nossas vidas.

É um modo de dizer: “Graças a Deus este mundo está sob o comando dEle, e não sob o meu comando”.

A oração é não somente um meio de levarmos nossos pedidos a Deus, mas também uma oportunidade de construir um relacionamento íntimo com Ele.

ALGUMAS RAZÕES PELAS QUAIS ORAÇÕES NÃO SÃO RESPONDIDAS:

Vãs repetições - Mt 6.7: E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos.

Não pedir – Tg 4.2: Cobiçais e nada tendes; sois invejosos e cobiçosos e não podeis alcançar; combateis e guerreais e nada tendes, porque não pedis.

Pedir mal, para gastar mal – Tg 4.3: Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.

Falta de perdão – Mc 11. 24 - 26: Por isso, vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis e tê-lo-eis. E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas. Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está nos céus, vos não perdoará as vossas ofensas.

MAS NOSSA ORAÇÃO FAZ DEUS MUDAR DE IDÉIA?

Alguns dizem que não, pois isso contraria a natureza imutável de Deus.

Outros dizem que Deus, de antemão, sabendo que poderemos orar, determina que mudará sua atitude.

O fato é que temos exemplos bíblicos de ocasiões em que Deus “mudou” de idéia:

- Deus prometera destruir os israelitas, por causa da idolatria deles através da adoração ao bezerro de ouro, construído por eles mesmos, mas Moisés orou e Deus deixou de fazê-lo: Êx 32. 9 – 14.

- Depois de avisar que destruiria Nínive, “voltou atrás” no que havia anunciado porque os ninivitas se arrependeram: Jn 3. 10.

Na prática, sabemos que a oração muda situações. Exemplos:

- Paulo e Silas na prisão: At 16. 25 e 26.

- Ana, que era estéril, se tornou mãe de Samuel: 1 Sm 1.

- Ezequias, que teve seus anos de vida prolongados: Is 38. 1- 5.

ALGUNS VERSÍCULOS SOBRE ORAÇÃO:

Mt 21. 22; Mc 11. 22; Jo 14. 13 – 14; Jo 15. 7; Jo 16. 23 e 24; Fp 4. 6; Tg 5. 16; 1 Jo 3. 22; 1 Jo 5. 14 e 15

CONCLUSÃO

Na mente da maioria das pessoas, a oração é vista EQUIVOCADAMENTE como um meio pelo qual a vontade de Deus é modificada ou pelo menos ampliada para incluir as preocupações daquele que está orando.

Mas, na verdade, a oração não tem tanto o objetivo de levar Deus a prestar atenção aos nossos pedidos, mas sim de alinhar nossos pedidos com a sua perfeita e desejável vontade para conosco. É aprender a pensar os pensamentos de Deus e a desejar os desejos de Deus.

A oração não é um macete para empregar os recursos da onipotência divina em favor do cumprimento de nossos próprios desejos, mas um meio pelo qual nossos desejos podem ser redirecionados de acordo com a mente de Deus e colocados em linha com as forçar de Sua vontade.

A oração, muito mais do que falar com Deus, é ouvi-lO.

Jesus, sim, Jesus, orou para que fosse feita a vontade do Pai. No nosso caso, geralmente, só oramos assim no “ritual” do “Pai Nosso”: o Pai é nosso, mas a vontade é só minha, é só ela que conta e é ela que eu quero que se cumpra. Deus é soberano e tem TODO O PODER, tanto para QUERER quanto para EFETUAR. Sim, este é o segredo: o querer de Deus, a vontade dEle, que é boa, agradável e perfeita. Quando temos uma vida de verdadeira comunhão com Deus, Sua vontade passa a ser nossa vontade, então, andando em Seus caminhos, nós oramos e Ele nos atende. E, se em Sua Soberania, Ele não nos atender, a Sua graça nos basta, pois o maior milagre Ele já fez em nossas vidas, o maior presente Ele já nos deu, a bênção das bênçãos Ele já nos concedeu: a salvação de nossas almas, por intermédio de Sua misericórdia e de Sua Maravilhosa Graça, que é maior que nossos pecados e maior do que podemos pensar, imaginar, entender plenamente e explicar com nosso conhecimento e raciocínio limitados, afinal, é Graça de Deus (Mt 6.9-13; Sl 62.11; Fp 2.13; Rm 12.1 e 2; Tg 4.13-15; Sl 37.3-7a; João 15.7 e 16; 2 Co 12.7-10).

terça-feira, 2 de março de 2010

Velhos pensamentos, velhos hábitos.


Somos novas criaturas em Cristo Jesus e temos a mente de Cristo (II Co 5.17; I Co 2.16). Mas, é incrível como basta uma pequena lembrança de algo desagradável que nos aconteceu no passado, ou um pequeno descontentamento em nosso cotidiano para “disparar o gatilho” e trazer à tona a velha natureza, o velho homem, como toda a raiva e tristeza que vivenciávamos em nosso negro passado sem Cristo. Agora estamos na luz, andamos na luz, vivemos na luz; vivemos para Deus, por Deus, andamos nas obras do Espírito, e não da carne (Jo 8.12; Rm 8.4-9), e ainda assim é difícil agir de maneira diferente daquela que costumávamos agir na vida pregressa, diante de situações semelhantes àquelas que vivíamos e que parecem surgir apenas para nos provar, para nos tentar, com a finalidade de nos “tirar do sério”, de nos fazer esquecer quem nós somos agora: embaixadores de Deus, de Seu Reino (II Co 5.20), não do ódio, da ira, da raiva, da vingança, da tristeza, da mágoa, do rancor, das tristes, amargas e destruidoras lembranças e da angústia. Agir de maneira diferente diante das mesmas situações, que se repetem e se repetem constantemente, requer enxergar tais situações de maneira diferente; requer, além disso, enxergar a nós mesmo de maneira diferente, como somos agora: feitura de Deus, e não filhos das trevas, mas filhos da luz (Ef 2.10; I Ts 5.5; I Pe 2.9; I Jo 1.5 e 7). Graças a Deus não sofremos de amnésia, e também não esquecemos de nosso passado quando nos entregamos a Cristo, mas se andamos em novidade de vida precisamos deixar as dores do passado no passado e viver o presente com Cristo, olhando para o Alvo, para o Autor e consumador da nossa fé, e esperando com alegria e paz a nossa redenção final (Rm 6.4; Fp 3.14; Hb 12.1-3). Isso é parte do que devemos fazer para ter a vida em abundância que Cristo veio nos trazer (Jo 10.10b).

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

JESUS ESTÁ ÀS PORTAS. E NÓS? EM QUAL PORTA ESTAMOS?


VIVEMOS EM UMA ERA EM QUE “EVANGELHOS” QUE NOSSOS AMADOS APÓSTOLOS (APÓSTOLOS MESMO, AQUELES QUE LITERALMENTE VIRAM A JESUS AQUI NA TERRA) JAMAIS PREGARIAM ESTÃO SENDO PREGADOS.

UM DELES, UM DOS QUAIS AS PESSOAS MAIS GOSTAM É O “EVANGELHO” DO VINDE A MIM COMO ESTÁS... E PERMANEÇA ASSIM. REALMENTE, JESUS VEIO SALVAR OS QUE ESTAVAM PERDIDOS E CURAR OS ENFERMOS (NESTE CASO, ESPIRITUAIS) – Mc 2.17. CONTUDO, ELE CHAMOU OS PECADORES, PARA QUE ESTES SE TORNASSEM JUSTOS, E O MESMO FAZ HOJE EM DIA.

TODOS OS QUE ATENDERAM AO CHAMADO DO MESTRE TIVERAM SUAS VIDAS TRANSFORMADAS. ENTÃO, POR QUE NÓS INSISTIMOS EM CONTINUAR COM NOSSAS VIDAS MEDÍOCRES, PROCLAMANDO SERVIR A CRISTO, MAS NEGANDO A EFICÁCIA DE SEU AMOR (1 Tm 3.5)?

O “EVANGELHO” PREDILETO DA ATUALIDADE É O DO SE VOCÊ, ALGUMA VEZ NA VIDA, FEZ UMA ORAÇÃO PEDINDO PARA JESUS ENTRAR EM SEU CORAÇÃO, ENTÃO VOCÊ ESTÁ SALVO, NÃO IMPORTANDO A MANEIRA COMO VOCÊ VIVE, POIS, AFINAL, O QUE IMPORTA NÃO É O QUE VOCÊ FAZ, NEM A SUA APARÊNCIA, MAS O QUE ESTÁ SEM EU CORAÇÃO, PORQUE É SOMENTE PARA ELE QUE DEUS OLHA. AGORA, É SÓ RECEBER, RECEBER E RECEBER TUDO O QUE ELE TEM PRA TE DAR - EMOCIONAL, FÍSICA E MATERIALMENTE FALANDO - (E QUE ELE É OBRIGADO A TE DAR, UMA VEZ QUE VOCÊ JÁ DETERMINOU, ORDENOU E TOMOU POSSE; CASO CONTRÁRIO, ELE NÃO É DEUS), SEM NADA OFERECER, NEM MESMO UMA VIDA DE SEPARAÇÃO DO MUNDO, DO PECADO, DA CORRUPÇÃO. MAS E QUANTO AO EFETIVAMENTE SER DISCÍPULO, SERVO, SEGUIDOR DE JESUS?

ELE ESTÁ ÀS PORTAS, ESTÁ VOLTANDO PARA BUSCAR A SUA SANTA, IRREPREENSÍVEL E IMACULADA IGREJA – Ef 5.27. MAS E NÓS? POR QUAL PORTA ENTRAMOS E POR QUAL CAMINHO ESTAMOS ANDANDO? A ORDEM DE NOSSO SENHOR FOI A DE QUE ENTRÁSSEMOS PELA PORTA ESTREITA E CAMINHÁSSEMOS PELO CAMINHO AO QUAL ELA CONDUZ, QUE TAMBÉM É ESTREITO. ELE NÃO DISSE QUE ERA SÓ PASSARMOS PELA PORTA, ATRAVÉS DA ORAÇÃO DO ENTRA EM MEU CORAÇÃO, E ESTAVA TUDO CONSUMADO. A FÉ SEM OBRAS É MORTA (Tg 2.14-26); UMA VIDA COM CRISTO SE REFLETE EM TODOS OS ASPECTOS DE NOSSAS VIDAS; O AMOR A ELE (1 Jo 2.15-17; 3.10; 4.19) E AO PRÓXIMO (1 Jo 2.9 e 10; 3.10,14; 4.7 e 8, 11 e 12, 20 e 21; 5.2) SE REFLETE EM ATITUDES QUE NÃO FIRAM NEM A DEUS (ENVERGONHANDO SEU NOME, O DESONRANDO), NEM AO PRÓXIMO E NEM À GLORIOSA IGREJA DE CRISTO (FAZENDO DELA MOTIVO DE ESCÂNDALO E CHACOTA, ESCÁRNIO, ZOMBARIA). UMA VEZ QUE PASSAMOS PELA PORTA ESTREITA, ENTRAMOS POR UM CAMINHO SEM VOLTA, E A ÚNICA DIREÇÃO A SEGUIR É A QUE LEVA A UMA VIDA DE DEVOÇÃO E SANTIFICAÇÃO (1 Pe 1.2) A DEUS, SEM A QUAL NINGUÉM O VERÁ (Hb 12.14). DO CONTRÁRIO, ESTAMOS ENGANANDO A NÓS MESMO E, INFELIZMENTE, MUITAS VEZES, ÀQUELES QUE DEUS NOS CONFIOU PARA QUE MOSTRÁSSEMOS O CAMINHO DA SALVAÇÃO: JESUS CRISTO, EM SUA TOTALIDADE, NA TOTALIDADE DE SUA OBRA, O VERDADEIRO EVANGELHO.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

LEMBRE-SE DO SEU INÍCIO!


As "pequenas obras" que Deus coloca nas mãos do Seus servos não são degraus para atingir a "grandeza", a "grande obra", ou "grandes obras".  As "pequenas obras" SÃO a GRANDEZA, SÃO as GRANDES OBRAS que Deus tem nos confiado.

Jesus, nosso Exemplo, nunca se preocupou com número, com quantidade de ouvintes. Ele seguiu fazendo a obra para e com aqueles que O seguiam. O próprio Jesus foi abandonado por muitos. Ou seja: muitos abandonaram Jesus, mas Ele não se abalou; antes, continuou a fazer o trabalho para o qual o Pai lhe enviara. O TAMANHO e a QUANTIDADE nunca foram Suas MEDIDAS DE SUCESSO. O número de Seus ouvintes NUNCA incomodou a Jesus, ou alterou sua maneira de falar ou o que falava, a fim de agradar o "público". Pregava o 'cristianismo puro e simples'. Sua personalidade e Seu ministério não seguiam aos desejos e expectativas carnais e egoístas dos ouvintes.

Em suma, Ele se manteve fiel aos dias humildes de Seu começo, do princípio de Seu ministério, seguindo o que ensina Zacarias 4.10a: Quem despreza o dia das coisas pequenas? ou Quem despreza o dia dos humildes começos?

O problema é que, hoje, temos dois problemas no que diz respeito a como os "servos" de Deus veem obra de Deus:

1º) Para alguns, muitas obras realizadas pelos crentes são sem importância, sem valor algum, se não forem "grandes obras". Contudo, nenhuma obra realizada sob a ordem e o poder do Espírito Santo de Deus, sob a vontade e a inspiração do Criador é sem significado, valor, relevância e importância.

2º) MUUUUUUITOS se esquecem dos dias humildes do começo de seus ministérios, quando eram "simples" pastores de uma pequenina igrejinha, em alguma área na periferia da cidade, deixando de dar o devido valor a tal começo e passando a gloriar-se apenas na "grande obra" na qual estão agora.

Quem disse que ser obreiro de uma "grande obra" é ser o presidente internacional de uma denominação, com altos padrões de orçamento e alto nível de escolaridade? Quem disse que isso é ser bem-sucedido na obra de Deus? (SEM QUALQUER DESMERECIMENTO/OFENSA PARA COM AQUELES QUE SERVEM A DEUS NESSAS CONDIÇÕES).

Mais: quem disse que é mais importante o pastor de uma grande denominação, que se apresenta semanalmente em rede nacional e internacional de televisão do que aquele que está em algum país mulçumano pregando o Verdadeiro Evangelho,  arriscando sua vida, , por amor a Deus e aos homens?

NÃO. Ninguém (claro que há exceções) se lembra que começou humilde e "simplesmente" como um porteiro de igreja ou como uma recepcionista. Isto é "riscado da história" quando o(a) obreiro(a) do Senhor se "transforma" em conferencista internacional (só porque pregou uma vez em um país que faz fronteira com o seu, como o Paraguai, no nosso caso) ou monta o ministério Fulana de Tal (e só porque Deus lhe abriu a porta para aconselhar outras mulheres em sua igreja local).

Algumas referências bíblicas: Zc 4.10a; Jo 6.66.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

O poder EM Deus


TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE - um dos chavões prediletos para os defensores de riqueza, saúde e sucesso incondicionais na vida dos "crentes". Contudo, o versículo formado por estas mesmas palavras está inserido num contexto que nos ensina que seu autor, nosso prezado irmão Paulo, REALMENTE TINHA O PODER para suportar, e com alegria e fé, todas as coisas naquEle que o fortalecia: ele tanto PODIA ter parte em um grandiosíssimo banquete, como podia passar fome; ele tanto tinha a CAPACIDADE de estar muito bem vestido, como de passar frio; ele tanto SABIA falar para os maiorais, como ser açoitado e expulso de cidades por causa do Evangelho; ele tanto CONSEGUIA aceitar o bem de Deus como o espinho na carne.; ele tanto sabia ser exaltado, como humilhado e caluniado; ACEITOU ter amigos, e aceitou se abandonado. E tudo isso com cânticos de louvor em seus lábios. Ele podia passar por qualquer situação de aflição ou por qualquer circunstância adversa e usar tais momentos para a glória de Deus, cumprindo Seu chamado, SEMPRE, sem ficar "chateado" com Deus. E quanto a nós? Realmente podemos todas as coisas naquEle que nos fortalece?

Algumas referências bíblicas: Fp 4.13; At 16; II Co 6.5;  II Co 12.7-10; II Tm 4.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Vencendo vem Jesus


Os sinais do retorno de Cristo, para buscar Sua, Igreja mais se mostram, se mostram cada vez mais, cada vez MAIORES e cada vez em maior QUANTIDADE. As catástrofes de proporções estrondosas apavoram a muitos: catástrofes naturais, sociais, econômicas, familiares, catástrofes nos padrões morais e éticos, nas regras para uma boa convivência, para uma convivência verdadeiramente baseada no respeito aos direitos e deveres de cada indivíduo, de cada entidade, de cada instituição. As guerras ocorrem em escala mundial; mas as MAIORES GUERRAS estão sendo travadas nos LARES: pais que perderam o controle sobre os filhos, televisões e escolas que "assumiram" a responsabilidade pela educação e pela formação das crianças (caráter, comportamento, religião etc.), porfias e dissensões entre irmãos, e por aí afora, ou melhor, por aí adentro. Mas aqueles que estão com os olhos fitos no ALVO, aqueles que não se deixaram envolver pelas 'questões' desta terra, desta vida, aqueles que não se esqueceram de sua VERDADEIRA CIDADANIA, estes apenas se preparam cada vez mais, a cada dia, em santidade e devoção a DEUS, aguardando ansiosamente pelo MOMENTO ÚNICO E TRIUNFAL do encontro com o Amado Senhor, nos ares, num abrir e fechar de olhos.

Algumas referências bíblicas: Mt 24.12,36-44; I Co 15.50-58; II Tm 3.1-9.