Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intendo do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glórias, pois, a ele eternamente. Amém! - Romanos 11.33-36.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Os idiotas

No filme "Os idiotas", de Lars von Trier, pessoas se unem em um grupo com a finalidade de libertar o idiota (no significado original da palavra) que há dentro de cada uma delas, em um revolta contra a classe média. Claro que o filme trata das relações humanas e retrata bem a idiotice dos ditos "normais". Mas também mostra o acovardamento diante das imposições da sociedade. Pergunto aquilo que na verdade sempre perguntei: por que temos que ser "normais"? Não somos todos parvos, mas também não somos todos de todo sensatos, lúcidos, eloquentes e ponderados todo o tempo. A maior insensatez é tentar manter as aparências através do confinamento de nossas tolices. A dor muitas vezes é o canal que permite o pateta aparecer. A dor foi o que permitiu que uma única corajosa de verdade, no filme, exibisse sua estupidez na frente daqueles com quem elas mais se importava. Na segurança do grupo todos conseguiram rebelar-se contra as ideias burguesas; fora dela, somente a marcada pela dor conseguiu descer do pedestal e mostrar suas fragilidades.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Perdi vinte em vinte e nove amizades Por conta de uma pedra em minhas mãos. Aprendi a viver sem você. Sem você outro ainda não aprendi a viver. MUITA coisa mudou. Inclusive, perdi vinte em vinte e nove amizades Por conta de uma pedra em minhas mãos. Mas sem você outro ainda não aprendi a viver. Mudanças, ciclos estações, todos falam sobre isso. Falam porque é verdade, Mas quando você está vivendo uma coisa muito boa, pensa que aquilo nunca vai acabar. Mas passa. Pode acreditar: passa. Não imaginava minha vida sem vocês; Agora, vocês tocam suas vidas e eu a minha. Por quatro anos vocês deram sentido ao meu viver; hoje, tuuuuuuuudo mudou. Mas não me queixo, não é reclamação. Vocês mudaram, evoluíram, tiveram coragem de romper padrões e mostrar quem realmente são, o que querem; de mostrar que vale a pena lutar por si. E não se perderam no caminho. EU rompi com tudo o que guiava o meu modo de viver. Tive por perda o que perdi. Hoje tenho por liberdade o que deixei. Não perdi, ganhei. E agora estou falando de VOCÊ. As pessoas não entendem o amor. O amor é um estar-se preso por vontade, É servir a quem vence, o vencedor. É um ter com quem nos mata a lealdade. Tão contrário a si é o mesmo amor. Vocês "deixaram de me amar". Você deixou de me amar de verdade. Você só mudou o seu tipo de amor por mim. Continua sendo um tipo lindo e único, Que ninguém entende. Agora, um fim desconexo. Toda Glória, toda Vitória, eu sei, Pertence a Ti, Toda honra, todo o louvor entrego a Ti, Porque, sem Ti, Não estaria aqui.

domingo, 12 de abril de 2015

Fulano, tu me amas?

Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais. Jeremias 29:11

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Rm 12:2.

A vontade do Senhor para nós é boa, agradável e perfeita, e ele só tem pensamentos de paz para nós.
Todavia, para experimentarmos essa paz e essa vontade divinas, precisamos sair da passividade!

Paulo, de muito boa vontade gastou-se, e deixou-se gastar pelas almas dos coríntios. Ele os amava, amava o reino, e não houve passividade alguma em sua vida! 2 Coríntios 12:15.

Até quando estava para ser morto pelo Império Romano, ele trabalha para o reino, ele se gastava pelo reino: 2 Tm 4.